João Brigatti fala sobre a expulsão de Serginho no clássico contra o Remo

A expulsão do volante Serginho, logo aos 21 minutos do primeiro tempo acabou sendo determinante para a derrota do Paysandu para o Remo neste domingo pela segunda rodada dos quadrangulares do Campeonato Brasileiro da Série C. O jogador recebeu cartão vermelho direto após cotovelada em Tcharlles.

Apesar disso, o técnico João Brigatti prefere não responsabilizar seu atleta pelo resultado adverso e criticou a arbitragem, que em sua visão entrou pressionada pelo time rival, que se sentiu prejudicado no jogo passado contra o Londrina.

“Aqui não vamos crucificar ninguém. Sabemos os pontos em que precisamos melhorar. Não vamos crucificar o atleta porque não vivemos apenas de vitórias. A gente trabalha com honestidade em cima de vitórias e em cima de derrotas. O que temos que manter é o pé no chão, sabendo que fomos muito abaixo hoje, principalmente depois que teve a expulsão”, disse o treinador do Papão.

“Uma situação complicadíssima, porque o Remo jogou toda a responsabilidade perante o jogo do Londrina, para cima da arbitragem. Hoje, acho que não foi muito feliz [o árbitro], mas não somos nós que temos que falar isso. Temos que ter uma semana tranquila e sempre voltada em busca da vitória”, seguiu.

Ainda sobre a expulsão, Brigatti disse que isso foi determinante para o resultado final da partida, uma vez que o time teve que jogar durante 70 minutos com um atleta a menos. O treinador lembrou que mesmo com um jogador a menos sua equipe conseguiu se reorganizar e teve até a chance de fazer o segundo gol, mas depois o Remo impôs seu futebol e não deu para segurar.

“Conseguimos reorganizar a equipe, teve condições até de ter marcado o 2 a 1, mas infelizmente depois impuseram o seu futebol, não conseguimos segurar”, falou.

Com o resultado o Paysandu caiu para a terceira colocação do grupo D com três pontos em dois jogos. Remo e Londrina somam quatro. O próximo jogo do Papão será no próximo sábado, às 17 horas, novamente no Mangueirão, contra o Londrina.