Presidente do Atlético Mogi aponta culpado para má campanha do time na Bezinha

Um dia aos o Atlético Mogi encerrar de forma melancólica sua participação no Campeonato Paulista da Segunda Divisão, quando acabou sendo goleado pelo União Suzano por 9 a 0, o presidente do clube, Roberto Costa, não poupou críticas ao técnico Valmir Silva. Através de um texto publicado o Facebook, ele atribui ao treinador reponsabilidade pela campanha ruim e, dentre outras coisas, diz que ele não é “treinador nem aqui, nem na China”.

O texto diz que Costa não era a primeira escolha da diretoria para dirigir a equipe na Bezinha e que o presidente de honra e licenciado, Joaquim Paixão Júnior, concordava com seu ponto de vista. No entanto, por conta do curto espaço de tempo, optaram por dar uma chance a Costa, que ficou responsável por montar a equipe.

Costa disse na postagem que entre agosto e setembro esteve e viagem a trabalho junto com o filho pela Europa e que Silva lhe mantinha informado sobre os trabalhos de preparação. O treinador dizia na época que a equipe estava pronta para a disputa.

Implorou para ficar

O Atlético foi o último time do grupo a iniciar sua preparação e os treinos coletivos começaram quando faltavam apenas dez dias para a bola rolar.

O dirigente afirmou em seu texto que após as três primeiras rodadas, quando a equipe perdeu para Manthiqueira, União Mogi e São José, todos por 2 a 0, optou pela saída do treinador, mas Silva, de acordo com suas palavras, teria implorado para permanecer com a promessa de melhores resultados. No entanto, nos últimos cinco jogos a equipe sofreu goleadas, duas delas por 9 a 0.

O dirigente disse ainda que pediu para Silva montar um grupo com jogadores profissionais e de qualidade, mas percebeu um time repleto de deficiências e que não apresentava obediência tática. Ele ainda apontou que alguns jogadores eram imaturos e os únicos que, em sua visão, cumpriam com o que o técnico pedia era o zagueiro Roan Costa – seu filho, o goleiro Gabriel e os meias Marco Antônio e Alex.

No final da postagem o dirigente endurece o tom e diz que o técnico irresponsável, sem palavra e antiprofissional. “Não conseguimos admitir como o Valdir (Silva) um compromisso sério em dirigir o time profissional do Atlético e ao contrário, conseguiu trair a confiança de toda a diretoria, formando um time ridículo, sem nenhuma qualidade e expressão, que no final, deixou essa péssima impressão” escreveu o dirigente, que completou: “enquanto eu seguir sendo dirigente do Atlético, o Valmir nunca mais terá a oportunidade de voltar a trabalhar no nosso clube” cravou.

Culpa só do técnico?

A postagem teve alguns comentários de torcedores, sendo que alguns deles questionaram se a culpa da campanha vexatória do clube é apenas do técnico.

O portal GE entrou em contato com o técnico Valmir Silva, que não quis comentar as críticas do mandatário do Atlético.

O time encerrou sua participação na Segunda Divisão sem nenhum ponto conquistado nos oito jogos que fez. O ataque fez apenas dois gols e a defesa sofreu 38.