Ex-técnico do Paysandu se retrata por declarações e diz que foi mal interpretado

O ex-técnico do Paysandu Matheus Costa voltou a falar do clube paraense nesta sexta-feira (23), mas diferente da véspera, quando durante sua apresentação no Operário ele comentou sobre o clima político do Papão, ele preferiu se retratar e afirmou que suas declarações foram tiradas de contexto.

Ele entrou em contato com a reportagem do portal GE, onde as declarações foram publicadas inicialmente, para pedir espaço e explicar melhor o que falou no dia anterior. De acordo com ele, como o foco na ocasião era sua apresentação no time paranaense, ele acabou falando do ex-clube de forma resumida.

“Gostaria de retratar algumas informações mal interpretadas sobre minha saída do Paysandu. Primeiro gostaria de agradecer a oportunidade de trabalhar com pessoas capacitadas e competentes que eu tive a oportunidade de conhecer, como o presidente Ricardo e o executivo Felipe (Albuquerque). Essas pessoas citadas vivem o clube, que é grande e muito sério. Não medem esforços para fazer o melhor e buscar soluções para resolver os problemas do dia a dia, mesmo neste momento de crise financeira que atinge o mundo inteiro e causou um desgaste muito grande nos clubes do futebol brasileiro”, disse Matheus Costa.

O treinador também explicou o que chamou de “ambiente político conturbado” e isentou a atual gestão pelos problemas.

“Comentei que infelizmente o clube vive um ambiente político conturbado, mas tudo isso é um ambiente externo, que vem de fora. O clube vive um ano de eleições e muita gente procura gerar informações falsas ou negativas para difamar a imagem do clube e levar alguma vantagem na eleição. Essas atitudes por interesse próprio, na política, prejudicam muito o Paysandu. A tentativa de desestabilizar o clube e conturbar o ambiente interno, que é feito massivamente nas redes sociais, é muito ruim e é uma pena que muita gente não consiga enxergar”, falou.

“Essa guerra política que tentam fazer de fora para dentro do clube é muito perigosa e ameaça o futuro do Paysandu. Internamente o clube vive um momento de pressão que é natural pela fase que está passando, mas sempre tivemos, é importante ressaltar, uma convivência de harmonia e dedicação entre todos que ali estão. Atletas, comissão técnica, funcionário, direção e o presidente. Não medimos esforços para buscar o melhor para o clube”, seguiu.

“Gostaria, mais uma vez, como já foi dito na minha saída, agradecer a todos os profissionais pelo período que tive a oportunidade de trabalhar e conhecer pessoas extraordinárias e que levarei para sempre em minha vida. Abraços a todos, sucesso ao Paysandu, clube que passei a ter carinho, com uma torcida linda”, finalizou.

As aspas de Matheus Costa foram extraídas do GE