Grupo invadiu local onde os jogadores do Figueirense treinavam
Destaque Figueirense Série B

Grupo invade treino do Figueirense, atira rojões e deixa feridos

Um dia após a derrota, em casa, para o Paraná Clube, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, o elenco do Figueirense passou por momentos de tesão na tarde deste sábado (5), quando um grupo invadiu o estádio Orlando Scarpelli, onde os jogadores faziam trabalho regenerativo. Eles atiraram rojões contra os atletas e algumas pessoas ficaram feridas.

Por volta das 15 horas, um grupo composto por cerca de 40 pessoas derrubou o portão 8 e foram em direção ao gramado, onde 34 jogadores treinavam. Existem relatos de que alguns atletas chegaram a ser agredidos e há quem cogite pedir dispensa do clube.

De acordo com a assessoria de imprensa do Figueirense, algumas pessoas ficaram levemente feridas, mas não foi especificado se se tratam de atletas ou funcionários. Elas foram atendidas no departamento médico do clube.

A Polícia Militar foi acionada, mas quando as viaturas chegaram o grupo já havia deixado o local. Um Boletim de Ocorrência foi registrado no início da noite.

“Eu nunca vi nada igual a isso na minha carreira. Foi assustador. Eles (torcedores) não vieram numa boa para conversar, já chegaram querendo briga e atirando os rojões em direção aos nossos pés” relatou um jogador ao portal GE Santa Catarina. Ele pediu para não ser identificado.

Nota do clube

O Figueirense emitiu uma nota oficial repudiando os atos de violência e a informando que medidas enérgicas serão tomadas.

Veja na íntegra a nota do clube:

O Figueirense Futebol Clube, através de seu Conselho Administrativo, repudia de forma veemente os lamentáveis fatos ocorridos na tarde de hoje no Estádio Orlando Scarpelli.

Resultados esportivos ou problemas administrativos de qualquer natureza, não justificam qualquer tipo de atitude que ameace a integridade física dos atletas e profissionais de comissão técnica.

Diante dos fatos, não resta alternativa que não seja procurar as autoridades competentes, para que medidas enérgicas sejam tomadas.